Sobre Maternidade

30 de mar de 2007

Minha mãe sempre dizia que "Ser mãe é padecer no paraíso" e eu tô provando que é bem verdade. Claro que o saldo é super positivo, eu tenho uma fofurinha pra afofar, que é minha, que desde pequena se mostra doce, meiga, geniosa, inteligente. Que não me dá folga, que me fez crescer como mulher e com quem eu tô aprendendo muito.
Eu sempre quis ser mãe, sempre tive vontade de amamentar e de cuidar do "serzinho" que seria de minha (e do marido) responsabilidade.
Amamentar não é tão fácil quanto parece. Dói, machuca, a gente fica sensível, a gente fica com medo de não dar conta do recado. Mas é um prazer enorme, uma satisfação saber que tem uma pessoinha que precisa da gente, que se alimenta, que cresce, que fica forte alimentada com o meu leite.
Eu amamentei a minha filha até 5 meses e meio, exclusivamente com leite materno. Ela teve bastante cólicas no começo e o pediatra me orientou a amamentá-la com o intervalo mínimo de 3 horas, para assim tentar diminuir as cólicas dela. E durante a madrugada ela acordava somente uma vez, ou quando acontecia de ela mamar depois da 1h da manhã, ela só acordava às 6h. Uma beleza!
Depois disso, por alguns percausos da vida, tive que introduzir a mamadeira. Mas continuei no mesmo esquema de horários estabelecidos (com uma folga de 30 minutos para mais ou para menos, dependendo das sonecas dela) e ela simplesmente parou de acordar na madrugada para mamar.
E é raro ela acordar na madrugada. Só um chorinho quando cai a chupeta. Geralmente ela mesma coloca a chupeta novamente. Eu me levanto somente quando ela chora por um pouco mais de tempo.
Dos 7 aos 10 meses de idade ela dormiu mais de 12 horas por noite! A colocávamos na cama às 20h30 e ela acordava no outro dia às 9h30. Uma beleza!!! Fora as sonecas durante o dia. =]
Agora ela dorme cerca de 10-11 horas por noite e 2 horas ininterruptas durante o dia, logo após o almoço dela.
Isso tudo eu fui fazendo no esquema Tentativa e Erro e deu super certo comigo.
A Tati Perolada recomenda um livro, que foi o que a orientou a fazer o que eu fazia sem saber o porquê nem como, mas que deu certo.
Como disse a Tati, não estou querendo doutrinar ou polemizar, estou apenas dizendo que comigo funcionou e foi uma maravilha.